sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Imagem que é um exemplo reciclagem e jardinagem

A imagem diz por si só:


terça-feira, 24 de setembro de 2013

Vibrato Saxofone e o vídeo de Lander : minha pequena opnião/desabafo pessoal

Olá macacada. Esse texto não foi feito como forma de provocação, está mais para um desabafo de minha pessoa neste ponto fétido da internerd.

Como muitos internautas desconhecidos sabem, sou um cara que curte fazer saxofones de pvc, pois acredito que o sax, mesmo sendo um instrumento de som belíssimo, em verdade, sofra de um grande fetiche da mercadoria. Creio que este instrumento, como muitos, seja reproduzível/fabricável por reles mortais cheios de vontade. Afinal, porque só um punhado de empresas podem fazer as coisas, se os conceitos para produção de som (corpo cônico e palheta simples vibrando) são relativamente simples de reproduzir? 

Claro que, quando vemos um sax na loja, num show, vemos um instrumento com muitas chaves, mas, creio que, com o tempo, seja possível faze-las em casa, de modo a um dia eu ou outro fabricante conseguir fazer um sax caseiro que chegue, em extensão de notas, perto de um sax de fabrica. Creio que um dos que mais próximos chegaram foi o Gilbran e seu sax de resina, que podem ser vistos aqui! 

Eu ainda estou na caminhada por aperfeiçoar e fazer meus saxofones, minha missão é desenvolver uma forma de fazer um sax com materiais comuns, que sejam acessíveis as pessoas comuns, e por isso optei pelo pvc (creio que se fosse pela fibra de vidro ou resina, já teria um perfeito em mãos, mas não é minha missão, que é criar um conhecimento livre para todos sobre a fabricação alternativa deste instrumento). Então, sempre me empolgo quando vejo tentativas de saxofones de bambu e pvc, bem como outras, como clarinetes e xaphoons.

Bom, onde quero chegar com todo este texto? Quero dizer que a alguns tempos tomei conhecimento do saxofone da marca Vibrato, todos os vídeos que vi dele, de testes, foram muitos bons, o som é muito belo, e, eis que vi outro vídeo, um dum cara que é um saxofonista relativamente conhecido, o Lander, vídeo que pode ser visto aqui!

Eis que assisto o fatídico vídeo, onde o citado saxofonista toca o sax da Vibrato, faz umas piadas, e, ao se referir a um sax de plástico e mau som ou brinquedo, mostra um dos vídeos de Somsak Supasiri (minuto 5:06-5:13 do vídeo), um dos caras que me inspiraram a fazer um sax, um cara que faz sax de pvc para ensinar a criançada e doa alguns para templos budistas (o outro cara foi o jamaicano SugarBelly). Isso me irritou muito, e me pergunto, qual as chances de eu ser o próximo? A resposta é MUITA, afinal de contas, sou um cara que vira e meche solta vídeos na internet sobre sax de pvc, sou um cara que sempre está pensando nisso! Então, não digo que houve identificação, que sim, houve. 

O Vibrato tem muito mais notas que o sax de Somsak Supasiri, o meu e de outros? Creio que sim, e não tiro a Vibrato por isso, o mérito é todo dela. O ponto que me irritou foi ele colocar algo que é o esforço de muitos em fazer seu próprio instrumento como algo ruim, como uma piada, como algo sem qualidade ponto e cabo. Isso me irritou muito, e o vídeo me pareceu uma grande propaganda da Vibrato, um grande fetichismo da mercadoria sobre tal, e temo muito que isso possa servir de alicerce para conceitos horríveis como "o que é de fabrica é melhor", e outros mais que façam as pessoas esquecerem que estes instrumentos são feitos por humanos, portanto, podem ser reproduzidos por humanos, desde que se esforcem. Temo que as pessoas que assistirem ao vídeo internalizem o fetichismo da mercadoria e esqueçam que um saxofone ou um clarinete no Brasil é muito caro, mesmo os usados passam de um salário mínimo. Como é que gente pobre, da periferia, vai comprar um sax ou outro instrumento se tem de se preocupar com seu próprio sustento? Como é que eu, que sou pobre, vou comprar um treco destes se tenho contas a pagar e sustentar minha família?  Pobre só tem 3 saídas nesse caso: 1-se numa dívida comprando em x parcelas um instrumento; 2- não compra e desiste de se tornar um musico em x instrumento, e vive frustrado e 3- faz o instrumento. A ultima opção é meu caso, bem como de muitos outros, e espero que inspire muitos outros em fazer seus próprios instrumentos, pois ai verão que há muitas possibilidades, ganharão muitos conhecimentos, e, quem sabe, darão um passo à frente e superarão as limitações minhas e de outros.

Enfim, coloco este texto em meu ponto fétido da internerd, não como forma de comprar briga (apesar de que sei que um dia isso irá ocorrer, creio que quando eu lançar meu livro sobre instrumentos de sopro reciclados choverá criticas e trolls, e terei de me defender), mas mais como um desabafo de algo que me deixou chateado. Lander é um bom saxofonista, mas creio que no ponto que ele mostrou no vídeo ele foi infeliz, no mínimo. Se um dia Lander ler essas linhas, que me perdoe, mas, foi muito infeliz mesmo, só prestou um favor para a empresa, ao cultuar o fetichismo da mercadoria com seu video-propaganda do Vibrato. Cata-corno Google: Saxofone de pvc vs Saxofone de Fábrica, Lander, Roubo do Conhecimento, Fetiche da Mercadoria, o que é de fabrica é melhor ? ! ,